Um conto de terror

Postado por Unknown | | Posted On terça-feira, 28 de setembro de 2010 at 16:26

Para te deixar assustadinho

lua-nova_poster08

  O céu estava pálido feito o rosto de um soldado marchando na linha de frente do maior inimigo do homem nesse e em outros séculos,  a homossexualidade, e o sol desaparecia no horizonte carregando consigo toda a segurança que uma família regular de classe média pode precisar.

  Logo de manhã quando levantou de sua cama com o corpo suado e com a cueca nos calcanhares, Daniel sabia que esse seria um dia de bosta.

  Sua namorada, Joana Paula, estava vindo visitá-lo. Ela era doce igual mel sendo ordenhado de um unicórnio, e o amava mais do que tudo no mundo. Os dois tinham uma conexão muito forte, talvez por terem crescido no mesmo bairro e ficado a vida inteira juntos, ou talvez o motivo era eles possuírem a mesma mãe, mas o que importa é que foram feitos um para o outro, como as estrelas que foram feitas para brilhar, ou o Rocky que foi feito para apanhar.

  Os dois estavam tranquilos na sala de estar assistindo “A origem” gravado na sala de um cinema e vendido a 2 reais no mercadinho da esquina. Joana não estava entendendo nada da história, Daniel também não mas tinha o pressentimento de que era um filme genial.

  Foi quando eles ouviram um barulho. Forte demais para ser um rato, silencioso demais para ser a irmã caçula de Daniel se masturbando ao som de restart. Parecia com um trompete celestial sussurrando a destruição de tudo o que é conhecido como bom. Ou talvez fosse um mendigo.

  Os dois saíram de casa para descobrirem o que era, no fundo contentes por não precisarem mais assistir aquele filme complexo com o carinha que morreu em Titanic, mas lá fora o mundo não era mais o mesmo.

  Uma nuvem negra pairava sobre suas cabeças, do outro lado da rua, ninguém. No ponto de ônibus, ninguém. No mercadinho, um demônio carregando uma foice invertida com um crucifixo ensanguentado na ponta olhando diretamente para os dois e…

- Caralho Joana Paula, corre sua vadia, corre!!!

  Os dois correram, o medo tomando conta de seus pensamentos. Será que todos daquela cidade estavam mortos? Será que o demônio tinha matado todos eles? Será que alguém poderia salvá-los? Será que essa seria uma boa hora para colocar uma cena em câmera lenta focado nos peitos de Joana? Daniel não tinha a resposta para nenhuma dessas perguntas.

  Eles correram, como se tivesse fadas do dedão do pé guiando seu caminho para além da escuridão. Nada parecia o mesmo, a velha ponte estava destruída, os postes de iluminação estavam destruídos, as televisões de todas as casas estavam ligadas na Record, esse parecia o apocalipse, o fim doloroso de toda a humanidade.

  Mas Daniel tinha uma ideia de como salvar a sua amada e a si mesmo, mas era algo inimaginável, ele não tinha certeza se conseguiriam a tempo.

  Quando ele era adolescente, seu pai o levou na casa de massagens da Nina, “final feliz garantido” anunciava o cartaz, e foi exatamente isso que ele provou. Essa era a solução, mas eles deveriam se apressar, pois o demônio se aproximava cada vez mais.

  A escuridão das ruas e dos seus olhos logo foram abatidas pelo cartaz luminoso da Nina, unica luz sobrevivente do universo. Joana estava confusa, a sua bissexualidade a tanto tempo guardada no fundo de uma gaveta na casa dos seus pais seria descoberta. Mas a troco de que? DE QUE????

- Éééé… da salvação muié.

  Eles entraram, seus corpos tremendo feito as mãos do Silvio Santos após descobrir para que serve o bambu, e foram recebidos pela Nina, a mulher que nunca envelhecia, e vendedora oficial da Avon nas redondezas.

  Ela os levou para um quarto onde suas leais ajudantes esfregavam suas mãos com óleo natural de alguma planta não legalizada.

  O ritual do desencapetamento começou. Lá fora, os gritos do demônio eram alto e claro, “trinta minutos, então eu serei o próximo”, ele dizia, e isso deu um arrepio na espinha do casal.

  A massagem com final feliz realmente teve um final feliz, e uma massagem, e quando acabou, os dois saíram pelas ruas novamente.

  O sol voltara a brilhar, os pássaros voltaram a cantar, a Globo voltou a ser líder. Tudo estava bem novamente.

  Eles descobriram que a escuridão não estava na realidade, e sim em suas mentes. Não transar até o casamento foi uma ideia estúpida e ambos concordaram com isso. A falta de sexo deixa as pessoas idiotas e o demônio da fornicação ataca sem dó.

  Moral da história: Libera essa buceta ai.

 

Perguntas:
1 – Luan, mas porque eles não transaram logo no sofá, ao invés de irem até uma casa de massagem para transar com outras pessoas?
R: Não sei. Eles eram idiotas.

2 – Mas Luan, você chegou a assistir “A origem” ou só citou porque você leu sobre ele em algum lugar?
R: Só citei porque li em algum lugar.

3 – Luan, você realmente acha que alguém irá ler esse texto até aqui?
R: Ninguém nunca lê, mas ainda tenho fé.

4 – Luan, porque esse texto é tão idiota?
R: Porque não faço sexo, então sou idiota.

5 – Porque tem a foto do filme Lua Nova no início do post?
R: Porque se você não se assustar eles irão tirar a camisa.

10 coisas que você não sabia sobre mim

Postado por Unknown | | Posted On at 10:37

Porque quem não tem algo bom para falar, fala sobre ele mesmo

A MENTIRA

- Eu não faço força ao cagar porque tenho medo que arrebente alguma coisa.

- Quando eu assisto um pornô com gordas eu me sinto tão pinto pequeno que acho que o unico jeito de fazer uma dessas engravidar é se eu mirar o jato na minha boca, fazer um pequeno gargarejo – porque esperma mexido é a nova sensação do momento, vide garotas que engravidam em baile funk – e cuspir em um jato forte e certeiro por de baixo das banhas e entre as pernas dela.

- Só faço doação de esperma se o potinho for uma velha. Isso é a unica coisa que meu pau tá mirando ultimamente.

- Pra mim a melhor sensação do mundo é cagar enquanto se masturba e fuma um cigarro. Mas se você começar a masturbar o cigarro e chupar o próprio pau e ainda assim estar cagando pra isso, você tem problemas.

- Não confio em pessoas que gostam de mulheres peludas. Eles poderiam me chupar no frio sem sentir diferença alguma.

- Decorei toda a letra do hino gay “I will survive” e toda vez que ela toca eu mato milhares de baratas invisíveis com o pé.

- Não gosto de pessoas que falam demais e muito menos de pessoas que falam pouco. Eu gosto é de pessoas que chupam.

- Meu sonho é conseguir um amor que dure mais que uma hora e custe menos que 150 reais.

- Tudo o que eu falo faz sentido na minha cabeça.

- Eu apenas aperto a descarga em situações críticas, não é qualquer mijo ou cagadinha em forma de bolinhas de gude que me fazem apertar a descarga não, eu deixo aquela coisa por lá mesmo até o fundo da privada adquirir uma coloração avermelhada e o cheiro deixar meu pinto tonto. Pra que ficar gastando água em cada mijada? O banheiro é só meu, tudo o que está lá dentro saiu de dentro de mim, eu posso aguentar o cheiro.

  O lado ruim de ser assim é que quando sua pasta de dente cai na privada ela se desintegra.

Um dia tenso

Postado por Unknown | | Posted On quinta-feira, 16 de setembro de 2010 at 13:27

daniel-cueca

  Eu fui fazer o teste teórico no Detran, esse lugar que não é qualquer-que-seja-a-imagem da Amy winehouse  mas também te deixa se cagando de medo.

  Eu estava me cagando de medo, nunca fiquei tão nervoso assim desde que chamei uma menina em um baile para dançar e após o primeiro oi me lembrei que eu não faço a mínima ideia de como se dança. Minhas pernas tremiam e eu não conseguia pensar em nada.

  Mas fui, mesmo sem estudar e sem lembrar de nada do que ia cair. No ônibus foi a pior parte da viagem, ele estava lotado, tinha uma japonesa (ou qualquer outro país com olhos puxados) ao meu lado e um velho sentado na frente, e foi quando eu a vi. Do lado de fora, em um grupo de 3 meninas, uma delas era a mais perfeita que meus olhos já encontraram fora da internet.

  Linda, quase pelada, como qualquer vileira deve ser (no frio elas usam calça larga pra parecer meninos, no calor não usam nada pra mostrarem a barriga de vermes), nesse momento pensamentos obscuros começaram a passar pela minha cabeça, nessa manhã antes de sair de casa eu tinha assistido um video de duas japonesas sendo estupradas no ônibus, e comecei a relembrar isso. O bicho começou a subir de uma forma absurda que só ator pornô de filme ruim consegue fazer igual.

  O velho na minha frente percebeu, eu segurei a vontade de colocar a mão na bunda da japonesa e no lado de fora a vileira linda ainda fazia o vento dançar conforme o movimento de sua barriga.

  O nervosismo ficou maior, prova, vergonha, ereção, Justin Bieber tocando ao fundo em algum celular pré adolescente comprado com o dinheiro suado de uma mãe retardada, fiquei vermelho, queria sair correndo e estuprar a menina vileira e suas amigas ranhentas no meio da rua mas tudo acabou bem.

  Só o velho percebeu e não quis me chupar, então tá valendo.

  Cheguei no Detran com as pernas que faria qualquer folha virar um Bruce Lee da vida e me derrubar, paguei uns dois micos tropeçando na frente de uma sala cheia de pessoas esperando e outro sentando no computador 54 mesmo a mulher tendo acabado de me dizer que o meu era o 51 (sugestivo o número do computador que me deram). Terminei e fui embora.

  Na volta eu queria cerveja, eu PRECISAVA de cerveja. Mas só tinha cartão de crédito. Andei até o único lugar dessa vila de merda que aceita o que eu tenho e ele foi recusado. Limite estourado.

  Ai é pra fuder.

  Mas o que importa é que eu passei, mas isso não tem nada a ver com o resto do dia, eu sabia que iria passar porque sou fodão, os parabéns da minha mãe foram um singelo “não acredito que você não lavou a louça Luan, puta que pariu em? Tenho que fazer tudo nessa casa??”.

  Fui dormir triste e excitado, com a cabeça doendo e o lençol trocado.

Conversa agradável no msn

Postado por Unknown | | Posted On segunda-feira, 6 de setembro de 2010 at 19:26

 

- Luan, eu te achei muito legal e bonito, será que podemos nos encontrar essa semana em algum lugar para nos conhecermos melhor?

- Não, não podemos, aqui vai a lista do que poderia acontecer se nos encontrarmos:

Hipótese 1: Você é um homem que quer comer meu cu;

Hipótese 2: Você é na verdade um homem velho que só quer comer meu cu;

Hipótese 3: Você faz parte de um grupo de estupradores que tem como objetivo arregaçar o meu cu;

Hipótese 4: Você é um travesti, com peitos e tudo, mas ainda possui um pinto e pretende colocar ele no meu cu;

Hipótese 5: Você é uma sadomasoquista de 2 metros de altura que carrega sempre um chicote na cinta esperando encontrar um jovem atraente para poder espancar até a quase morte e depois enfiar 3 dedos e meio no meu cu;

Hipótese 6: Você irá faltar o encontro e eu ficarei com cara de idiota no meio do shopping sendo encarado por seguranças monstros desconfiados que estão apenas esperando um deslize da minha parte para me levarem até a salinha de interrogatório e comerem meu cu;

Hipótese 7: Você é realmente uma mulher, sem pinto e tal, bonita igual na foto que só quer me conhecer para termos uma tarde agradável na companhia um do outro e quem sabe rolar algo mais sério e nos apaixonarmos. Isso seria decepcionante e não demoraria muito para eu mandar você tomar no cu.

Um homem do campo

Postado por Unknown | | Posted On quinta-feira, 2 de setembro de 2010 at 15:53

ewok1

  E ae cachorrada doida das vila capitar, aqui é o primo Jão das roça dando um comprimento pros mano, as mina e os leitão que tão na malucagem por essas banda. Contarei minhas história procês, sempre serelepes e parceiros que curtem um rap zóid nas bohêmia e espero que curtam, porque é do coração S2 malucada, tenho estilo e dou umas pimpada na encardida.

  Minha vida começou a uns ano ai, no interior do Paraná, cidade sinistra dos pé da cor de cabeça de pau de punheteiro mermão, o bagulho era doido e minha velha com o pé na cova e outro no Gucci, porque zumbi sem estilo leva headshot tá ligado? Nóis vivia num barraco loko, espremia os porco pra chupá a linguiça e mamava em boi pras vaca se excitarem.

  Comi tanto bode quando muleque que agora meu pau faz béééééé em toda ereção, isso espanta as vaca que me dão, por isso sou um lobo solitário da vida, mó tristeza essa parada, mas deus é mais e a escopeta é meu guia.

  Viver aqui é bem de boa, nem tem esses filhinhos de coronér que se acham pra caralho pra encher meu saco, só os sangue bom me rodeiam e não monto neles pra não ser montado. Tranquilidade bródi, é assim que é e sempre vai ser. Quando a parceria é marota nenhum  filho da puta come minha garota.

  O negócio é não mexer com nóis, mexeu com a família eu te deixo mais desfigurado que cego tentando fazer inseminação artificial em chuveiro coletivo num acampamento de cangaceiros.

  Agora deixa eu contar sobre minha puta. Muié dos céu, que pitelzinho de cereja que ela é. Quando bati os olhos nessa mina pela 1ª vez fiquei mais confuso que boneco vodu do Michael Jackson. O que era isso? Mais bela que acarajé de macumba na avenida paulista, mais graciosa do que uma índia de topless na guerra dos farrapos gritando independência ou morte, ela era meu amor.

  Casei com ela, é claro. Troquei por dois porcos e uma galinha com o pai dela. Ele comeu os porcos em um dia e se casou com a galinha no seguinte. Dessa galinha veio um ovo. 10 anos depois eu comi o ovo e agora estou preso e sou mulherzinha de 5 caras aqui na caixa. É foda ser doido, véio… é foda ser doido.

 

  Apertei “verificar ortografia” e o bagulho mandou eu me fuder. Sacanagem meu. 

 
Web Analytics