Adivinha quem voltou

Postado por Unknown | | Posted On terça-feira, 31 de maio de 2011 at 13:53

Meu pau

Fotos-engraçadas-do-esporte1 Foto meramente ilustrativa que não ilustra meramente quase nada

  Agora vamos para fatos incrivelmente irrelevantes que aconteceram com essa pessoa enquanto esse site estava fora do ar

Obs: “Essa pessoa” se refere a mim, que estou escrevendo, e não qualquer pessoa normal que possa estar ao seu lado enquanto você lê isso. Seria estupidez minha escrever algo sobre qualquer pessoa que você conheça, certo? Quero dizer, eu não conheço você, e muito menos a pessoa que está ao seu lado, se é que existe alguma pessoa ao seu lado nesse momento. Mas se existe, feche essa página e vá fazer sexo, dizem que é mais agradável.

Obs²: “Esse site” se refere a esse site. Sem mais. Não seja idiota.

  Eu reprovei no teste de carro no Detran.

  Já faz quase um ano que estou tentando tirar a minha carteira de motorista, e até agora o sistema estava indo totalmente contra a razão e estava quase permitindo que uma pessoa como eu saísse pelas ruas dirigindo um veículo. Tinha passado de primeira em todos os testes, mas no carro simplesmente não deu.

  Fui fazer com um amigo e uma moça, ou mulher, ou senhora, sei lá. Era uma pessoa de aproximadamente 30 ou 40 anos, ou para ser mais exato, era velha. Meu amigo reprovou logo no começo e chorou, então fomos eu e a tiazinha para as violentas ruas da cidade.

  Eu quase fiz um percurso perfeito, só esqueci da seta no começo, mas isso não é nada. Fui andando bem de boa, com o cu apertado mas a mente bem aberta. Então o instrutor corno que emprestou seus chifres pra usarem como berrante na novela “O rei do gado” me disse:

- Pronto seu lindo, agora vire aqui e estacione

  Estacionei, mas esqueci o pisca novamente. Ele deu um discurso sobre como a seta é importante no trânsito, e depois outro discurso sobre como suborno é errado e me reprovou.

  A tiazinha também se fudeu e chorou.

 

Nada mais aconteceu comigo enquanto esse site estava fora do ar porque minha vida é um saco e nada de bom acontece nela, exceto aquela vez que eu conversei com um esquilo mas depois percebi que eu só estava chapado

  Nada mais aconteceu comigo enquanto esse site estava fora do ar porque minha vida é um saco e nada de bom acontece nela, exceto aquela vez que eu conversei com um esquilo mas depois percebi que eu só estava dormindo

Como preparar um sanduíche de merda

Postado por Unknown | | Posted On segunda-feira, 16 de maio de 2011 at 17:36

subway-meatball-marinara

  A preparação de um legítimo e requintado sanduíche de merda, requer habilidade e sofisticação por parte de seu fazedor. O mais famoso fazedor de sanduíches de merda, o senhor Fred DeLuca nos ensina que, não basta você pegar o pedaço mais suculento e firme de sua própria merda e colocar dentro de um pão, o que faz um sanduíche de merda ser mais apreciado do que os famosos sanduíches de sucos vaginais enlatados, mais suculentos que o nem-tão-popular-assim sanduíche de sêmen míope e mais procurados que o sanduíche que ninguém acha – o de ovos fritos de galinhas pobres, é o modo como são preparados.

  Primeiramente deve-se escolher o pedaço de merda baseado em sua textura, cor e amigabilidade. Esse passo consiste basicamente em: Tá vermelho, jogue fora.

  Em segundo lugar, após pescar o pedaço perfeito de dentro de sua privada, preferencialmente utilizando luvas de borracha e máscara de gás, você deve preparar o pão.

  Não existe segredo, pão é pão.

  Mas a forma como o pão deve ser cortado interfere diretamente no paladar de seus consumidores (que provavelmente será apenas você). Duas facas são necessárias. Uma firme e forte, com lâminas cortantes e de preferência enfeitadas, com o cabo sendo duro para facilitar o manejo e o molejo e que não quebre, pois quebrando, duas coisas irão acontecer:

Primeiro: irá atrasar a sua culinária, já que provavelmente você não terá outra igual no seu estoque, pelo simples motivo de você ser pobre.

E segundo: Você perderá uma faca.

  E a outra faca necessária deverá ser pequena, com o cabo macio mas firme, lâminas arredondadas para um perfeito deslizamento na hora de passar a merda e tem que ser melada antecipadamente em pasta de amendoim vencida.

  Se você tem tudo o que é necessário, vamos preparar nosso sanduíche de merda.

  Com o pão em mãos, abrá-o, utilizando a primeira faca. Lembre-se de não deixar ela quebrar, isso fez Fred DeLuca pirar e ser internado antes de terminar seu segundo sanduíche. Mas se quebrar, e você estiver de larica, enfie gentilmente as duas partes dentro de alguma merda fresca que você possua dentro de si. Após isso coma.

  Agora que você está com o pão aberto e com as costas doendo por tentar comer o recheio antes de deixá-lo sair, pegue a segunda faca e espalhe a merda com gestos rápidos e mortais, não deixando nada escapar pela borda.

  Feche o pão, deguste com um bom vinho barato e me agradeça depois.

  Obs: Queijo é opcional, assim como os agradecimentos.

A felicidade

Postado por Unknown | | Posted On quinta-feira, 5 de maio de 2011 at 13:19

 tequila-10195

  Felicidade é algo absurdamente estranho. Em um momento você pode sentí-la, enquanto toma chá de camomila com bolinhos doces na companhia de uma pessoa amada, e no outro você está sentado em seu quarto esfumaçado imaginando o porque de estar se sentindo mais lixo do que bolachas água e sal que compartilham a mesa de seu café ao lado dos inacreditavelmente deliciosos bolinhos doces.

  Você pode ter tudo o que sempre sonhou: um amor, um carro novo, uma casa própria, uma família amorosa, um emprego que pode não ser lá aquelas coisas mas paga o suficiente para permitir a aquisição de novos e frescos bolinhos doces todo o dia, mas mesmo com tudo isso você tem o direito de se sentir uma merda de vez em quando.

  Mas porque nos sentimos uma merda de vez em quando? Não podemos culpar a falta de bolinhos, pois isso seria estúpido. Não podemos culpar a nós mesmos, pois quase sempre fazemos as coisas certas, ou no mínimo, achamos que estamos fazendo a coisa certa. Talvez podemos culpar a sociedade, mas é de conhecimento de todos o fato de ela estar pouco se fudendo para todos nos.

  E é claro que nunca podemos culpar o chá de camomila, ele é apenas um acompanhante para os bolinhos doces, seria como culpar uma prostituta de olho roxo por não ter feito direito o seu trabalho.

  Dizem que felicidade é relativa, para uns apenas ter o que comer é felicidade, para outros isso não é o bastante. Para alguns ser gay é ser feliz, para outros isso é doloroso.

  Eu gostaria de poder ser feliz como os Beatles pareciam em um filme deles, onde eles corriam e pulavam e parecia que aquilo era a melhor coisa do mundo. Mas se eu começar a correr e a pular no meio da rua, além de eu parecer um completo imbecil aos olhos dos outros, é claro, eu corro o risco de ter um infarto.

  Ok, esse texto já ficou retardado demais e totalmente diferente daquilo que eu queria escrever. Mas vou publicar para fazer vocês perderem seu tempo assim como eu perdi o meu.

 
Web Analytics