Conto infantil

Postado por Unknown | | Posted On terça-feira, 30 de março de 2010 at 14:23

crianças

A menina e o amendoim

  Há muito tempo atrás, em uma vila muito, muito distante, vivia uma garotinha. Seu nome não é de conhecimento de ninguém, já que sua mãe estava morta e seu pai poderia ser qualquer homem com 5 moedas de ouro num raio de 10 quilômetros. Ela era solitária, ninguém a amava por ser uma bastarda e literalmente uma filha da puta, então ela vagava sem rumo de casa em casa procurando algum trabalho de faxineira que pudesse pagar sua próxima refeição.

  Mas os tempos estavam difíceis, a crise das ilhas remotas invisíveis tinha acabado com a renda de muitas pessoas, o que fez a triste menininha sobreviver apenas comendo parasitas de pelos de macacos sagrados, mas para caçá-los ela precisava manter contato com eles, o que não agradava o resto da população que consideravam os macacos intocáveis por simples mãos humanas, principalmente por mãos tão pequenas que pra coçar a bunda precisava utilizar uma escova de cabelos.

  Um dia, sem saber mais como sobreviver, ela resolveu fazer algo inimaginável para qualquer pessoa saudável, fazer uma limpeza geral na mansão da bruxa bronzeada da vizinhança assombrada, que em termos leigos significa uma casa grande, onde morava uma bruxa que pegava sol, em uma vizinhança que era assombrada.

  Chegando lá ela foi instruída pela velha que preferia não mostrar seu rosto, sua voz era rouca e cada palavra sua saía como se fosse um tapa na cara da garotinha. Suas instruções foram ainda mais assustadoras, ela disse:
- Meninaaaa, eu quero que você limpe cadaaaa canto de minha mansãoooo. Utilizando apenas…um palito de dentes usado por um peixinho dourado.

  Como a menininha seria capaz de fazer um peixe dourado utilizar um palito de dentes? Ela não sabia, mas estava disposta a conseguir terminar todo o serviço. Seu pensamento mais óbvio foi dar um frango assado para o peixe comer, porque era a coisa que ela sabia que deixaria fiapos em seus dentinhos, então ela o fez. Enfiou um frango inteiro no aquário para o solitário peixe comer.

  Com o frango inteiro devorado, ela sentiu que o peixinho estava incomodado com algo, e foi a hora perfeita para ela dar o palito para ele, que limpou seus dentes e ficou satisfeito logo em seguida, antes de morrer. A parte mais difícil estava feito, agora era só começar a limpeza, mas não antes de procurar algum banheiro para, como diziam os velhos sábios da região, cagar.

  E foi nesse banheiro, no 5º andar da casa, que a coisa mais maravilhosa de toda a sua vida aconteceu. Sentada e fazendo uma força absurda para não ficar nenhum pedaço dentro, ela sentiu que algo estava estranho. Sua bunda estava brilhando como se fosse o sol da meia noite refletindo no riacho das macumbas, uma sensação de alívio geral penetrou em seu corpo e algo saiu em troca.

  Olhando para a água escura do vaso de porcelana ela o viu. Um amendoim dourado tinha acabado de sair por entre suas entranhas. Sem pensar a garotinha o pegou e ficou analisando aquilo que seria sua salvação e seu pesadelo por muito tempo.

  Os dias se passaram, cada vez mais as pessoas da vila odiavam a garotinha por ela estar convivendo com a bruxa do mal, todos a olhavam estranho, a repudiavam, cuspiam em sua cara, até sua velha amiga frigideira parecia não estar contente com a jovem. Ela se sentia excluída e triste, mas o pior estava por vir, em uma reunião dos moradores foi decidido que ela deveria ser queimada na fogueira por ser uma bastarda, e depois virar alimento para as borboletas.

  Uma multidão se reuniu para isso, todos com tochas na mão e foram em direção à mansão da bruxa, pois a garotinha ainda limpava o chão de lá. Ao longe a malvada bruxa viu as pessoas, e achando que era ela que eles queriam, correu para os andares de baixo dizer para a menina que ela estava se mandando. Chegando lá olhou para a triste menininha e deu as últimas instruções de como proceder.
- Garotinhaaaaa, o que sai do cu está livre, o que continua dentro tem poder.

  Com essas palavras a bruxa se transformou em uma barata, pois esse era seu disfarce quando o perigo aparecia, mas infelizmente a menina tinha pavor a esse monstro e a pisoteou.

  O que ela quis dizer com isso? O que irá acontecer agora? A menininha se perguntou, mas antes de poder terminar seu pensamento a porta da frente foi arrombada e vozes de homens dizendo “mata, mata a vadiazinha filha da puta” foi ouvida. Ela sabia que isso era com ela, não existia nenhuma outra vadiazinha filha da puta na ilha, e ficou apavorada.

  A multidão a encontrou e encurralou, disseram que esse era o fim dela, que deveria ser queimada para pagar os pecados de sua mãe e os próprios, a levaram para a praça central e perguntaram a ela quais eram suas últimas palavras. Tremendo a menina disse:
- Vão tomar no cu!!!

  Cu… um pensamento apareceu em sua mente nesse momento. “Garotinhaaaaa, o que sai do cu está livre, o que continua dentro tem poder”, era isso! O amendoim iria salvar sua pele.

  Antes que os homens fortes pudessem botar fogo nela, ela abaixou as calças, ficou de quatro para as pessoas e enfiou novamente seu amendoim dourado rabo adentro, uma luz se formou novamente em seu bumbum infantil e antes que eles pudessem ficar excitados e presos por pedofilia um monstro gigante de merda foi expelido lá de dentro e começou a assassinar todo mundo.

  Pernas foram cortadas, o sangue de várias pessoas se misturando no chão frio da praça, olhos arregalaram antes de serei arrancados e arremessados em outras pessoas, tripas foram usadas para enforcar os mais velhos, cabelos humanos foram usados para sufocar os mais novos, em menos de 5 minutos todos estavam mortos, a garotinha era a única que respirava o ar puro, presente dos Deuses para os pecadores continuarem pecando em suas terras. Ela estava amedrontada, mas satisfeita com sua vingança anal que tanto almejou, agora ela não seria mais odiada, não passaria mais fome e viveria em paz com seu novo amigo assassino de merda.

  Mas como nem tudo o que sai do cu é algo bom, o monstro a matou e explodiu a ilha.

 

  Moral da história: Use actívia com moderação.

blog comments powered by Disqus
 
Web Analytics