Eu queria ser aquele que você jamais será

Postado por Unknown | | Posted On segunda-feira, 3 de setembro de 2012 at 12:28

question-mark

  Alejandro era um jovem aprendiz de vagabundo que passava metade do seu dia caminhando pelas ruas do subúrbio para refletir sobre algumas questões fundamentais para o completo entendimento da forma feminina existente no planeta. O que ele realmente queria era ver peitos, mas infelizmente ele não tinha nascido com o dom da beleza, ou da simpatia, ou da educação, ou das boas maneiras, ou da coragem, da lábia, e, menos ainda, o dom de querer aprender.

  A arma principal de todo covarde que não tem a capacidade de agir é pensar (ou fazer um blog), e foi isso que Alejandro começou a fazer desde criança, pensar, na esperança de que alguém em algum lugar do mundo fosse capaz de o entender, mesmo sem precisar de uma longa conversa chata que terminaria em um: “me liga pra gente sair de volta”, o que jamais iria acontecer pois Alejandro tinha trauma de telefones *

  Mas certo dia, enquanto Alejandro caminhava por um belo parque a céu aberto cuidadosamente colocado ali pela prefeitura para suprir a falta de motéis nas redondezas, um senhor se aproximou dele com um olhar curioso e logo começou a conversar com o garoto, coisa que todo velho sente necessidade de fazer, sem se tocar de que eles são chatos e muito pouco interessantes:

- Espera ai, você é o Alejandro não é?
- Como você me conhece?
- Ahh, graças a Deus finalmente tive a chance de te reencontrar. Sou eu, Charles, o médico que fez o teste do pezinho em você Alejandro. Nossa, quanto tempo faz isso? 23 anos e alguns meses? Tenho que confessar, minha memória já não é mais a mesma agora que estou envelhecendo. Jesus, como você está grande, tá calçando quanto agora? 40? 41?
- 42
- Nossa, o tempo realmente voa. Mas vamos ao que interessa Ale, posso te chamar de Ale?
- Não
- Jesus, Maria e José, finalmente te encontrei.
- Se você vai começar a inventar nomes pra mim eu prefiro que me chame de Ale mesmo.
- Certo, precisamos conversar, venha se sentar comigo naquele banco isolado onde tem várias árvores que impedem que os pedestres e a polícia nos vejam.

  Charles e Alejandro foram se sentar no banco. Aquilo estava parecendo uma suruba de travecos para o Alejandro, ele sabia o que estava acontecendo, apenas não entendia o porquê.

- Bem, você deve imaginar o motivo de eu ter te procurado por todos esses anos não é Alejandro?
- Não, pra falar a verdade eu não faço a mínima ideia.
- Você não se lembra do nosso pacto de sangue aquela noite? Quando eu furei o seu pé para os exames, eu também furei minha língua e chupei o teu calcanhar, para que você jamais se esquecesse da nossa missão aqui na terra, vamos, faça um esforço, lembre-se.
- Você é doente velho, muito doente.
- Esqueça esse pensamento mundano ultrapassado, nos somos superiores a tudo o que já existiu e que irá existir depois de nos. Nos somos a perfeição em forma de homens, somos as estrelas caídas esperando pelo combustível do amor para acendermos e retornarmos para o céu, para que assim possamos iluminar novamente o mundo e aquecer aqueles corações solitários que insistem em perder a cor cada vez mais. Estamos aqui para empurrar a paz na vida daqueles que se seguram através das guerras e da destruição, nos somos o futuro, o passado e o presente, somos mais do que qualquer um pode sonhar em ser, nos somos homens, somos guerreiros, somos anjos, somos a luz e as trevas, somos tudo e o nada, somos deuses, e eu te passei aids aquele dia.
- Espera ai, o que?
- Tenha um bom final de vida garoto, sempre te amarei.

  E assim termina a nem-tão-emocionante-assim história de um garoto que sempre sofreu, sempre lutou contra seus problemas, sempre procurou a verdade, e descobriu que ela não é lá aquelas coisas. A vida é dura, aprenda a conviver com isso ou se vicie em algum MMO.

 

* O trauma de telefones de Alejandro: 
– Pizzaria alguma coisa italiana boa noite
- Oi, eu quero uma pizza
- Não, sério? Pensei que você tinha ligado pra bater papo ou alugar um hotel, seu imbecil, IMBECIL!! Otário maldito, com quem você pensa que tá falando? “eu quero uma pizza” sua mulherzinha arrombada, pareço seu empregado? Garoto estúpido, se você estivesse na minha frente eu arrancaria as bordas de uma extra-grande sem recheio e enfiaria no seu cu pra ver se sua merda sairia com formato de calabresa. Eu quero uma pizza, é cada doente mental que me liga.
- Uma média por favor
- Viadinho. Vai demorar 30 minutos ou mais, obrigado por escolher a alguma coisa italiana, tenha uma ótima noite. Retardado.

blog comments powered by Disqus
 
Web Analytics