Uma perereca em meu banheiro

Postado por Unknown | | Posted On sábado, 22 de outubro de 2011 at 00:15

 perereca

  O fato é que é impossível pro meu pênis e ânus fazerem seu trabalho natural de descarrego absoluto se no recinto tiver algum tipo de inseto, animal, divindade ou um grupo contra a dengue. Não gosto de nada disso me olhando quando tento me aliviar, mas parece que sempre tem algo pra me encher o saco.

  Bichos, assim como as bichas, são criaturinhas de Deus desenvolvidas com um único propósito:
Tentar a todo custo te fuder.
Um sábio profeta

 

  Eu estava desesperado para uma aliviada matinal, daquelas que treme as perna, entorta os zóio e suja o cu, quando pra minha surpresa, uma perereca estava colada na parede, me olhando com seus pequeninos olhos intrigados, como se pensando: “o que esse louco vai fazer comigo aqui?” E é claro que a resposta foi “absolutamente nada”.

  Vejam bem, já é famoso dos leitores desse site o meu medo amedrontador de aranhas, mas eu não sou gay, de pererecas eu não tenho medo algum, só não gosto delas por perto e tenho repúdio de seu toque. Então como tirar ela dalí para eu poder cagar em paz?

  Puta que pariu, eu aqui, cheio de problemas pra lidar e como se fosse uma avacalhação do universo, ainda me aparece isso pra eu ter que resolver antes que meu tempo se esgote e minha cueca se pareça com uma canção pop de algum astro infantil.

  Pererecas nunca facilitam.

   Elas são ninjas, não tem como tirar elas de algum lugar pequeno sem que você permita que elas pulem em cima de você, e se aquela vagabundinha pula em cima de mim eu morreria de nojo, no sentido mais másculo da palavra.

  Ok, aqui estava eu, me cagando nas calças e com nojinho de um animal inofensivo que só come insetos menores, mas fazer o que né? Eu sou só um pouquinho estranho, e ter medo nojo de pererecas é só mais uma dessas estranhezas.

  Comecei a batalha pra retirá-la dalí. Utilizei a velha técnica de cegar o bicho, jogando um pano em cima dele. Certo, ele deveria ficar imobilizado, mas como vou pegar ele e jogar pra fora? Minha inteligência avançada me fez pegar uma vassoura e empurrar ele.

  Beleza, pano do lado de fora, posso cagar em paz.. Algum tempo depois eu retirei o pano e não tinha nada, ele deve ter fugido pra grama e invadido a casa vizinha, pererecas nojentas lá é o que não falta.

  Depois de ter tomado um banho pós cagada para a retirada de impurezas que não são alcançadas pelo simples uso de papel higiênico, eu saí do chuveiro e com quem do de cara me olhando atrás da porta em um buraquinho na parede feito por uma bola de boliche a uns anos atrás? (Sim, o meu banheiro tem um buraco feito por uma bola de boliche, longa história).

  Não disse que esse bicho é ninja? Como ele foi parar ali sem que eu tivesse visto? E agora, aqui estava eu, pelado e encarando mais esse desafio na minha vida. Um arrepio subiu pelas minhas costelas até a parte detrás de meus olhos. Meu primeiro impulso foi jogar a toalha em cima dele, mas minha tremedeira me fez errar.

  Saí do banheiro correndo e pelado, literalmente com o cu na mão, e comecei a bolar outro plano. Resolvi usar um copo e um prato. Enquanto ele estava se contorcendo magnificamente pelo azulejo de meu quartinho pra pensar, eu com a agilidade de um babuíno de bunda vermelha fugindo do 3º chifre de um touro espanhol, coloquei o copo sobre seu corpo, prendendo-o contra a parede.

  Consegui, retirei o hóspede indesejado e pude voltar a fazer minhas coisas. A batalha durou pelo menos 30 minutos, 30 minutos que eu poderia ter utilizado para mudar o mundo, mas não, passei lutando contra um ser indefeso que me causa ânsia de vômito.

  E isso é o máximo de adrenalina que tenho na minha vida…

blog comments powered by Disqus
 
Web Analytics