Um romancezinho de merda

Postado por Unknown | | Posted On terça-feira, 15 de dezembro de 2009 at 04:17

  “Um mundo sem trevas é um mundo sem luz, todos estamos fadados a fracassar terrivelmente algum dia, mas é do fracasso que surgem os heróis de suas próprias vidas”

Frases pseudo intelectuais para adolescentes idiotas

Um autor famoso

 

- Manhêêêê, minha buceta está sangrando.
  Essa foi a última frase sã que a jovem Linda Torres M.O. disse antes de embarcar no ônibus que a levaria a um lugar que ela jamais imaginaria estar, um lugar que mudaria sua vida para sempre de uma forma tão violenta que seu passado como uma criança normal nunca mais seria lembrado por ninguém.

  Era uma quarta feira de manhã, o sol brilhava e os pássaros acasalavam-se ao ritmo de samba em postes de luz já destruídos com o desgaste do maldito tempo que acaba com tudo e a todos, Linda estava radiante em seu novo vestido vermelho sangue que sua mãe comprou especialmente para essa ocasião, ela tinha virado uma mulher e estava apta a conhecer o mundo de prazeres que lhe foi reservado desde o seu nascimento.

  Já na escola ela sentia como se todos a olhassem diferente de como a olhavam antes, talvez seja porque ela agora era uma mulher feita, ou talvez fosse apenas o absorvente aparecendo por de baixo do curto vestido comprado em 24 vezes sem juros, ela não sabia ao certo, mas sabia que estava se sentindo como nunca se sentiu antes.

  Na hora do intervalo foi se encontrar com suas amigas no refeitório da escola, e foi lá que ela o viu pela primeira vez: Um homem branco como o pus recém saído de sua espinha, alto, extremamente magro e mal vestido, com olhos penetrantes que fariam uma modelo lésbica gozar ao ser fotografada por aquele homem que era mais desejado na escola do que o nosso desejo de matar a Dakota sei la o que no filme “Guerra dos mundos” – aquela vaca só sabe gritar, pro inferno com isso-.

  Quando ele passou a primeira vez por Linda, ela descobriu que aquele era o homem com o qual ela sempre sonhou, ele era a razão das trocas noturnas de sua calcinha, ele era a razão do consolo de sua mãe ter sumido por três semanas. Ela tinha que conhecê-lo, mas como fazer isso? Ele tinha a fama de mal e nunca falava com ninguém.

  Um dia no estacionamento do colégio algo terrível aconteceu. Um triciclo vindo a mais de 5 km/h estava prestes a atropelar Linda, quando as mãos de um jovem homem branco a salvou das garras certeiras da morte.

  Lá estava ele, seu nome, Leonard, tinha parado o triciclo com suas próprias mãos, esse cara não era normal, sua força era extraordinária e Linda se apaixonou mais pelo homem misterioso.

  No começo ele a ignorava, mas Linda sempre foi muito teimosa e queria ele de qualquer jeito. Ficou muito doente quando passou uma semana na escola o procurando e ele não apareceu, ela já estava desistindo quando o sinal tocou e ele apareceu, radiante na luz fraca de um corredor deserto, com seus trajes negros como nossa visão ao piscar, ele estava de volta e Linda não podia mais perder tempo, tinha que saber mais desse homem.

  Um dia em um bar com as amigas ouvindo a nova banda do momento, Tubaína, Linda o viu de volta lá fora com seus amigos punks sujos e resolveu que aquele era o momento. Correu em sua direção com os braços abertos chorando e implorando o seu amor, quando um pássaro cagou em seu ombro e ela foi ao chão tremendo de medo e dor, sem saber o que fazer e perdendo a consciência aos poucos, ela fechou os olhos e sonhou estar em um pônei branco alado voando por entre as nuvens carregadas de sonhos e esperanças. Quando acordou estava no outro lado da cidade, com Leonard ao seu lado fumando um cigarro de chocolate e dando de comer a um esquilo.

- Como eu cheguei até aqui? Indagou Linda.
- Eu te trouxe, você estava brutalmente ferida com sua mente em ruína e sua alma em prantos, resolvi te afastar da multidão para que não sofrestes mais com a tragédia envolvendo seu jovem corpo belo como as águas cristalinas de um amanhecer em Veneza.
- Vá se fuder cara, para de dar uma de filósofo e apenas responda como um ser humano de 16 anos.
- Você está enganada minha jovem, a natureza nem sempre é generosa com sua raça e as vezes faz alguns sofrerem mais do que os outros. A filosofia está na vida e não em palavras, temos que aprender a sermos bons, ou forças ocultas nos farão sentir a dor penetrante em nossos corpos frágeis.
- Não entendi porra nenhuma.
- Eu não sou um ser humano e meus 16 anos já se foram a muito tempo.
- Você é louco?
- Não.
- Você é gay?
- Defina gay.
- Você queima a rosca, senta na mandioca, descabela o palhaço dos outros, esfrega a abelha e chupa o mel, dança na boquinha do frasco de shampoo, amarra o tênis em fila de cuecas grátis, dança Pole Dancing natural?
- Não encantadora madame, eu não sou gay.
- Mas parece.
- Eu te contarei um segredo, posso confiar em você?
- Claro.
- Eu sou um vampiro…
- …
- Você está com medo?
- Não.

  Após essa descoberta nem tão boa assim, Linda tem certeza que o cara é louco pra caralho e pede uma prova de que ele é realmente um vampiro. Ela pega um gravador e acende um cigarro, pedindo em seguida que Leonard comece a contar sua história de 200 anos.

  “ No início eu tinha 16 anos, um pouco mais velho do que você é hoje, mas aquela época era diferente, com essa idade eu já era um agricultor respeitável. Minha mulher e meu filho haviam morrido a 6 meses, juntos, enterrados em uma sepultura no quintal da…”

  Ei, interrompeu Linda, essa história já existe, entrevista com o vampiro com o Brad Pitt, aquele sim era um gato e um vampiro de verdade. Tá, ele era meio gayzinho no começo como você, mas ele pelo menos matava gente para sobreviver, não vai me dizer que você é vegetariano?

  Sim Linda, não mato pessoas por que isso é errado.

  Mas é assim que tem que ser, vocês foram feitos para matar, não se pode mudar uma lenda, é a mesma coisa que eu disser que sou Jesus e me transformo em Power Ranger pra curar as pessoas e usar a modernidade como desculpa pra essa blasfêmia.

  Linda, você não entende, venha comigo, eu irei te mostrar uma coisa.

  No alto de uma montanha, correndo na velocidade da luz em um apagão e se odiando por ser um fumante, Leonard chega e olha para as nuvens. Pede que Linda não se assuste, mas ele sabe que é algo inevitável, o medo dela é a melhor coisa que já aconteceu com ele, e para melhorar, ele não pode ler sua mente, mas então ele se lembra que não pode ler a mente de ninguém porque ele nem é tão bom assim.

  O sol aparece e Leonard, achando que iria simplesmente brilhar como os olhos de uma bicha ao ver Brad e Tom quase se beijando em entrevista com o vampiro, começa a queimar e se transformar em cinzas. Parece que ele não leu muito bem o que acontece com vampiros no sol, ele foi idiota o suficiente para fazer isso e acaba morto no topo de uma montanha alta.

  Linda, sem saber o que fazer, sem saber se ri ou se desespera por não conseguir descer a montanha sozinha, se joga no chão e pergunta aos céus porque mandou alguém tão fracassado assim para sua vida, e promete nunca mais se apaixonar e nem dar sua buceta.

 

FIM

 

 

P.S: Esse é um romance de ficção, qualquer semelhança com livrinhos best sellers de merda que fazem a cabeça de idiotas hoje em dia é mera coincidência.

blog comments powered by Disqus
 
Web Analytics